terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Crônica: "Guerra e Paz" - – um suposto debate conceitual entre Vygotski e Piaget


__ Entre – diz o suíço, todo empacotado, que recebe o bielo-russo, nem com tanto frio assim.

Vygotski está na Suíça fugido, cansado das perseguições às suas teorias, bombardeado de todos os lados. Mais cansado ainda com a tuberculose e o crescimento do nazifacismo na Europa.

No final dos anos 1920, o continente ainda não havia se recuperado da grande guerra, e a quebra da bolsa de Nova Iorque deixou o mundo numa assustadora escuridão.

Era a primeira vez que os dois se viam, mas conheciam bem as teorias de cada um. Piaget, depois de saber da situação de Vygotski, resolveu convida-lo à Suíça, país conhecido como neutro.

__ Ainda observando a sociedade, Vygotski?

__ Sempre. O ambiente social dá o rum ao desenvolvimento da criança. Mudando-se o ambiente, muda-se o desenvolvimento. Não posso aceitar uma visão única, universal, até por isso que não acho lugar para ficar, já que sou rechaçado tanto por inatistas, quanto por empiristas.

__ Mas continua ignorando os fatores biológicos – reclama Piaget.

__ Isso se deve à sua formação acadêmica.

__ Ora, ora. Todos temos um corpo físico, e este terá influência tanto aqui quanto na China. Os fatores internos são preponderantes e postula o desenvolvimento, que segue uma seqüência fixa e universal de estágios.

Após o chá, as trocas de olhares e solidariedades, Piaget complementa:

__ Caro amigo, os conhecimentos são elaborados espontaneamente pela criança, de acordo com o estágio de desenvolvimento em que ela se encontra.

__ Quero, respeitosamente, discordar de sua tese, visto que a criança já nasce num mundo social, portanto, a construção do conhecimento não procede do individual. A visão de mundo é formada através da interação entre adultos e crianças. A construção do real é mediada pelo interpessoal antes de ser internalizada pela criança. Dessa maneira, desenvolvimento e aprendizagem são processo que se influenciam reciprocamente, de modo que, quanto mais aprendizagem, mais desenvolvimento.

O suíço queixa-se:

__ Mas assim as coisas perdem sentido, pois tudo tem limite, principalmente quanto às crianças. A aprendizagem subordina-se ao desenvolvimento e tem pouco impacto sobre ele.

Silêncio. Mas a solidariedade fala mais alto. O barulho das xícaras e dos talheres corta friamente o sombrio ambiente europeu. Vygotski não ficaria muito – o Ocidente não acolheria de braços abertos um suposto bolchevique. E dificuldade por dificuldade, preferia estar em casa.

Piaget não poupava:

__ O pensamento é anterior à linguagem, que é apenas uma das formas de expressão. A linguagem só pode ocorrer depois que a criança já alcançou um determinado nível de habilidades mentais.

__ Pensamento e linguagem são processos interdependentes, desde o início da vida. A linguagem sistematiza a experiência direta das crianças e por isso adquire uma função central no desenvolvimento cognitivo.

Num passeio no fim da tarde, concordam que a criança é um ser ativo, atento, que constantemente cria hipóteses sobre o seu ambiente.

Dias depois Vygotski retorna ao seu país de origem, deixando dd presente um livro de Tolstoi. Na dedicatória, escreve que o título refere-se aos embates diários de todos aqueles que pensam sobre a educação por este mundo.


(escrito em março de 2004)

Nenhum comentário:

Postar um comentário