terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Muito estranho


Não é estranho que todo dia pela manhã passam programas de tv mostrando aquele monte de comida, enquanto têm milhões de crianças em casa que rezar para chegar logo a hora de ir à escola para, no lanche fazerem sua primeira refeição do dia? (isso contando com aquelas famílias que ainda têm tv, e as escolas que ainda têm merenda)

Não é estranho ver aquelas campanhas do governo pedindo para você doar para o Fome Zero, para você adotar um aluno, para manter a publicidade de combate às drogas, enquanto vemos juízes brigando por um “sub-teto” (que ironia sócio-gramatical) de R$ 16 mil, ou sabendo que deputados recebem R$ 12 mil, mais 13º e 14º salários, mais R$ 35 mil para o gabinete, mais viagens de ida e volta para Brasília, mais R$ 25 mil para quando trabalham no recesso?

Não é estranho toda vez “você receber balinhas de troco, ou até ficar sem receber nada, deixando sempre alguns centavos para o ‘pobre’ estabelecimento todas as vezes que compra algo? Já que eles nos dão balas, será que aceitam que eu pague as minhas contas com balinhas?, ou que ao invés deles, eu fique sempre devendo alguns centavos a eles”?

Não é estranho saber que no mundo da Globo não há pobres, nem feios, que a casa de todo mundo é uma maravilha, e que no final tudo dá certo pra todo mundo?

Não é estranho saber que 80% das mulheres brasileiras que pintam o cabelo escolhem a cor loira?

Não é estranho que a bebida preferida das pessoas nunca é a água, mas sempre tal uísque 60 anos ou vinho francês de 1349?

Não é estranho ter no centro da cidade de Goiânia aquela estátua do bandeirante, um dos maiores assassinos da história do Brasil, e que guardava em diversos sacos centenas de pares de orelhas de índios?

Não é estranho saber que o preço de custo de um cd é de apenas R$ 1, mas chega a ser vendido nas lojas até por R$ 35?

Não é estranho que até hoje a Sandy continua com aquele tom de voz ameno e aquelas traduções de músicas ridículas? Até quando vai continuar aquele discurso burrinho?

Não é estranho ver toda a mídia transformando o MST em guerrilha armada? Você já teve a maravilhosa oportunidade de conhecer um acampamento sem-terra? É este movimento que impede que sejam criados grupos como as FARC aqui no Brasil, e é justamente isso que a ‘grande’ imprensa tenta os incriminar.

Não é estranho assistir em todo início de estação aquelas reportagens em que os estilistas te induzem a tal cor ou tal tecido para estar na ‘moda fashion’ (que ambigüidade ‘estrangeirística’!), enquanto tem um monte de gente descamisada por aí, ou fazendo questão de vestir a camisa de uma empresa que o explora por não ter outra para vestir?

Não é estranho ver a polícia defender o próprio Estado que a suga, recriminando manifestantes, enquanto as manifestações são por problemas sociais, problemas estes que os próprios policiais enfrentam em sua vida comum?

Não é estranho quando “uma pessoa influente é atropelada por um ‘comum’ o motorista é enquadrado em um monte de coisa e fica preso, mas quando um pagodeiro comete o mesmo crime ele somente assina um acordo e se livra? E que depois esse mesmo pagodeiro vai até a Casa Branca e ‘chora de emoção’ ao conhecer o Bush”?!?

Não é estranho ver que todo o discurso do Bush é rodeado de criancinhas, ou no painel no fundo há escritos sobre paz, amor, liberdade, Deus, enquanto o que ele fala são apenas fundamentalismos e etnocentrismos?

Não é estranho ver que tudo o que os judeus sofreram na Europa durante a segunda grande guerra estão fazendo tudo igual com palestinos lá no Oriente Médio? E que a mídia classifica sempre os palestinos de ‘terroristas’, enquanto os israelenses apenas ‘revidam’ ataques?


(escrito em agosto de 2005)

Nenhum comentário:

Postar um comentário