terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Per fas et ne fas - ao pé da letra


O deputado federal Aldo Rebelo, comunista até debaixo da terra, elaborou um projeto radical, ou seja, da raiz, que visava banir as palavras estrangeiras usadas no Brasil. Mas tais palavras são como leis por aqui: alguns pegam, outros não pegam. Às vezes nos shoppings centers, ops!, perdão, centros de compras, encontramos uns cartazes idiotas numas lojas idiotas escritos “sale”, “off” (??). Isso não pegou, pelo menos por enquanto. A cultura é dinâmica, e a língua portuguesa do Brasil não se auto-pariu: é filha do português de Portugal, neta do latim, irmã do tupi e de línguas africanas, prima do francês, do inglês, do espanhol, do árabe... Se um dia o projeto do deputado for aprovado, ficaremos mudos! Se quisermos falar alguma palavra de origem estrangeira, pagaremos multa! De antemão não poderemos falar nada que contenha o som do jota. ge, fonemas de origem indígena. Pessoas perderão o próprio nome, não poderão se apresentar e nem serem chamadas! O que serão da Juremas, das Janaínas?!? Como será a vida na sociedade brasileira sem as Juremas?? Mas não é bem assim: o deputado quer é aportuguesar algumas palavras, ou seja, usaríamos o mause, faríamos o logofe, vestiríamos o robe, ouviríamos pelo ualquemem, apertaríamos o plei e o páuer, tomaríamos cuidado com o ráquer.

Nesse sentido, queremos nos juntos ao ilustre deputado. Não somos obrigados a ficar torcendo a língua ou a fazendo biquinho na sala de aula para tentar falar corretamente o nome de filósofos alemães e sociólogos franceses. Queremos aportuguesar o nome de todos eles. Ora, até as crianças nos chamam de burros quando pronunciamos errado o nome de um personagem de desenho animado. Visando essa comunhão, elaboramos uma lista com alguns nomes estrangeiros que mais usamos, e a tradução para a nossa língua. Posteriormente a encaminharemos ao Congresso Nacional, e assim acabaremos de vez com as cãimbras na língua que têm acometido a muitos de nós. Lá vai:

Adam Smith - Adão da Silva
Friedrich Engels - Frederico Anjos
John Kerry - João Carro
Paul McCartney - Paulo Macaco
Max Weber - Máximo Valério
Pókemon - Põe-quentão
Mikail Bakunin - Miguel Bacaninha
Joseph Stalin - José Estábulo
Jacques Chirac - Joaquim Cerrado
Pierre Bourdier - Pedro Bordão
Franz Kafka - Francisco Café
Auguste Rodin - Augusto Rodovalho
Miguel de Cervantes - Miguel da Cervejaria
Ludwig Van Beethoven - Ludovico da Beterraba
Louis Pasteur - Luís Pastel
George Hegel - Jorge Rêgo
Robert Schumann - Roberto Chumaço
Willam Shakespeare - Guilherme Xerocopiado
Richard Wagner - Ricardo Vagem
Orson Welles - Alce Velho
Kevin Costner - Cleitom Costa
Marcel Mauss - Marcelo Mosca
Lílian Wite Fibe - Liliane do Bife Branco
Carl Gustavo Jung - Carlos Gustavo Jovem
Gabriel García Marquéz - Marquês de Sabugosa
Bill Gates - Zé do Engate
Guido Mantega - Guisado de Manteiga
Karl Marx - Carlos Marques
George Bush - Jorge Bucha
John Lennon - João Heleno
Jörn Rüsen - João Riso
Èmile Durkheim - Emílio do Caim
Peter Pan - Pedro Pão
Johny Walker - João Valter
Zélia Duncan - Célia do Cão
Nestor Kishner - Ernesto Quixote
Pablo Picasso - Paulo Retalhado
Friedrich Nietzsche - Frederico Neto
Michel Jackson - Miguel Joaquim
Steven Spilberg - Esteves Espirro
Ortega y Gasset - Acelga e Cassete
Mao Tsé Tung - Mau da Tanga1
Ernest Cassirer - Ernesto Cassino
Jean-Paul Sartre - João Paulo Saturado
Britney Spears - Betânia Espiga
Oscar Wilde - Oscar Uai!
Albert Einstein - Alberto Aí Tem!
Francis Bacon - Francisco Toucinho
James Brown - Jaime Marrom
Tony Blair - Antônio do Bairro
Jürgen Habermas - Jorge Abre Mais
Gerard DePadieu - Geraldo da Padaria
Bill Clinton - Zé Clitóris
Elvis Presley - Hélio Prestes


(escrito em maio de 2003)

Nenhum comentário:

Postar um comentário