quinta-feira, 6 de outubro de 2011

CQC: depois de tanta imoralidade, a falácia do "argumentum ad infantium"

Depois de 3 anos no ar promovendo na maior parte do programa um monte de piada sem graça, machista, caluniosa e inútil, o CQC, da Band, por meio de seu “humor inteligente”, chega ao ápice de suas maiores burradas (mas nada impede que se superem a cada dia com suas excelentes piadas preconceituosas!). Como o profissionalismo ainda não chegou à Rede Bandeirantes, que serve de curral para os interesses e negócios da família Saad, o ético Rafinha Bastos foi afastado do CQC (após afirmar que comeria Wanessa Camargo e o bebê dela) não pela piada, mas por ter incomodado o ex-jogador Ronaldo e o esposo da ‘cantora’.
Como Rafinha Bastos precisa trabalhar para sobreviver, né, coitado, depois de tudo ele ainda arrumou patrocínio de uma churrascaria para endossar sua piadinha de “comer bebês” – se quiser ver o vídeo no YouTube, clique aqui (não vou sujar meu blog colocando-o aqui).
Pois bem, entre os diversos tipos de falácias, existe a do argumentum ad infantium, ou seja, “faça isso pelas crianças”, em que a emoção é usada para persuadir as pessoas a apoiar (ou intimidá-las a rejeitar) um argumento com base na emoção, mais do que em evidências ou razões. Dessa forma, o ‘jenio’ Marcelo Tas vai utilizar seu gracioso CQC para, em 10 de outubro próximo, fazer uma homenagem especial ao Dia das Crianças.
Fácil, né? Depois de um dos apresentadores fazer graça com sua voracidade sexual, basta fazer um programa voltado para as crianças que tudo se resolve, afinal, agora eles são nossos amiguinhos, querem conquistar nossos filhos com suas piadinhas com diversos sentidos. “Vamos deixar o CQC de lado, foi um ato falho, eles dedicarão um programa inteiro para provar que AMAM as crianças”. Ai, ai...

Um comentário:

  1. se vc acha lamentável o conteúdo de um programa televisivo, ainda mais um de grande alcance e audiência, produza conteúdo bom ou indique noblog ao invés de repercutir oq já está feito. O que você diz a respeito do programa criticado, é só o que você diz, e não vai impedir que conteúdos ruins continuem sendo veiculados.

    ResponderExcluir